• José Góis

Como poderá a transformação digital mudar o setor da saúde nos próximos cinco anos?

Nos próximos anos assistiremos a melhorias profundas na abordagem aos desafios da saúde, potenciadas pela transformação digital e implementação de tecnologias inovadoras para resolver alguns dos principais problemas, melhorando o acesso e a qualidade na prestação dos cuidados de saúde.




Empreendedores, a comunidade de investidores e as maiores organizações de I&D do mundo estão focados no desenvolvimento e implementação de soluções que irão produzir resultados tangíveis nos próximos anos.

Partilhamos as expetativas de alguns pioneiros da indústria, publicadas recentemente num artigo do Fórum Económico Mundial.

Mudança de paradigma dos cuidados de saúde para a prevenção através da alimentação


Segundo Jim Flatt da Brightseed, nos próximos anos os sistemas de saúde adotarão abordagens de saúde mais preventivas, baseadas no desenvolvimento da ciência que está na base das dietas ricas em plantas e nutrientes, potenciando os seus benefícios para a saúde.


Esta tendência será possível pelo crescimento exponencial do conhecimento sobre o papel dos fito nutrientes dietéticos na saúde humana, sustentado na aplicação de tecnologia baseada em IA.


Após a pandemia de 2020, os consumidores estarão mais conscientes da importância da sua saúde, exigindo alimentos mais saudáveis para ajudar a reforçar as suas defesas naturais.


Com conhecimento muito mais profundo da nutrição, a indústria alimentar poderá dar uma resposta renovada, com a oferta de uma gama mais alargada de produtos, que permitirão obter melhores resultados em termos de saúde.


A indústria da saúde poderá também contribuir com a promoção da inteligência vegetal da Terra e incentivando as pessoas a cuidarem de si mesmas num esforço para reduzir custos insustentáveis dos sistemas de saúde.


Um novo normal na gestão do cancro


Com o crescente conhecimento sobre as patologias, sustentado nas novas tecnologias para recolha de dados, Sizhen Wang, CEO da Genetron Health, acredita que no mundo de amanhã, o cancro será gerido como qualquer doença crónica, sendo possível identificar com precisão o que podemos estar a enfrentar e ter um poder acrescido para gerir a doença.


Com a inovação nas técnicas de diagnóstico, assistiremos a um rastreio mais precoce e proativo, como por exemplo com melhorias na tecnologia de sequenciação do genoma ou na biópsia líquida, que promete maior facilidade na realização de testes, maior precisão e idealmente, a um custo acessível.


A deteção e intervenção precoces em tipos comuns de cancro, não só salvarão vidas, como reduzirão os encargos financeiros e emocionais de um diagnóstico tardio.


Assistiremos também a uma revolução no tratamento, impulsionada por novas tecnologias de edição genética e de imunoterapia, que trazem menos efeitos colaterais.



Colocar os indivíduos no centro dos cuidados de saúde

Nos próximos anos, as linhas que separam a cultura, as tecnologias da informação e a saúde ficarão mais ténues.


Rahul Dhanda da Sherlock Biosciences, a engenharia biológica, machine learning e a economia da partilha vão estabeler e promover uma descentralização dos cuidados de saúde, transferindo-os das instituições para os indivíduos.


Estes avanços, impulsionados pela inteligência artificial e novos mecanismos de entrega na cadeia de fornecimento, requerem dados biológicos em tempo real que a engenharia biológica poderá fornecer, como testes de diagnóstico simples e de baixo custo para indivíduos em todos os cantos do mundo.


Como resultado, a morbilidade, a mortalidade e os custos com condições agudas diminuirão, como por exemplo no caso das doenças infeciosas, porque só os casos mais graves precisarão de cuidados adicionais. Menos pessoas infetadas deixarão as suas casas, alterando drásticamente a epidemiologia da doença, diminuindo os encargos para os sistemas de saúde.


Esta alteração terá uma diminuição correspondente dos custos e aumento da qualidade dos cuidados de saúde, à medida que os diagnósticos baratos transferem as despesas e o poder para o indivíduo, aumentando simultaneamente a custo-eficiência dos cuidados.

As fronteiras entre a saúde, o estatuto socio-económico e a qualidade de vida, começarão a desvanecer-se, reduzindo as tensões geradas pela equiparação da saúde ao acesso às instituições que prestam cuidados de saúde.


Para Rahul Dhanda, estas tecnologias convergentes alterarão fatores económicos e sociais, aliviando muitas das pressões atuais sobre a condição humana global.


Compreender os segredos microscópicos escondidos nas superfícies

Todas as superfícies da Terra transportam informações ocultas que se revelarão essenciais para evitar crises relacionadas com pandemias, tanto agora como no futuro.


Os ambientes construídos, onde os seres humanos passam 90% das suas vidas, está carregado de microbiomas naturais compostos por ecossistemas bacterianos, fúngicos e virais.


A tecnologia que acelera a nossa capacidade de recolher rapidamente amostras, digitalizar e interpretar dados dos microbiomas, transformará a nossa compreensão de como os agentes patogénicos se espalham.


Expor esta camada de dados do microbioma invisível, ajudará a identificar assinaturas genéticas que podem prever quando e onde pessoas e grupos estão a espalhar agentes patogénicos, que superfícies e ambientes apresentam o maior risco de transmissão, e como esses riscos são impactados pelas nossas ações e mudanças ao longo do tempo.


Para Jessica Green da Phylageen, estamos apenas a riscar a superfície do que o conhecimento através dos dados do microbioma oferecem, mas vamos ver uma aceleração nos próximos cinco anos.


Estas informações não só nos ajudarão a evitar e a responder às pandemias, como influenciarão a forma como concebemos, utilizamos e limpamos ambientes como edifícios, carros ou transportes públicos, para além da forma como apoiamos a atividade económica sem sacrificar a saúde pública.


Conclusão


Apesar da COVID-19 ter revelado algumas debilidades na organização da sociedade e na capacidade de resposta para cenários de pandemia, também acelerou o ritmo de transformação digital, com o aumento da colaboração global, a transparência dos dados e a rapidez de reação dos governos, com o obketivo de minimizar uma ameaça imediata à vida humana.


Acredito que a história evoluirá de forma diferente, aumentando e melhorando o acesso da população aos cuidados de saúde, através da implementação das tecnologias existentes e que estarão para aparecer.


Assine a nossa newsletter e receba as atualizações sobre saúde digital no seu e-mail


28 visualizações

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Receba as nossas atualizações

© 2020 Dialeto Digital, Portugal